22 de dez de 2005

De tanto bater, meu coração parou

Um belo filme francês (De battre mon coeur s'est arrêté), mas não é este o tema. Diz o ditado que água mole em pedra dura tanto bate até que fura, mas meu coração é mole, muito mole. E bate desavergonhadamente. Pra que tanto sacrifício se minha cara impede de vê-lo. Fantasia, mais vale batidas a mais que emoção de menos. Vida curta, alegria eterna. Ou, é melhor um dia de leão que a eternidade de cordeiro. As diamantes são para sempre, e daí. Eles não têm emoção, não amam, não choram, não desviam o olhar.
A emoção ainda é a melhor lembrança. Parada obrigatória, só a do coração. O resto é seguir em frente, com serenidade. E, como Quintana, não perder as estribeiras:

"Se as coisas são
inatingíveis... ora!

Não é motivo para não querê-las...

Que tristes os caminhos, se não fora

A presença distante das estrelas!"

 



Bom final de ano e que venha 2006!