20 de mar de 2010

Con$erto RB$

Pó pará, RBS!


"Conserto" RBS!Sollus in Conserto!

O que há em comum entre o Grupo RBS e as FARCs? A pergunta pode até parecer estranha, fora de contexto, mas se impõe pela fixação da RBS em se preocupar mais com as FARCs do que com Porto Alegre e o RS.

Estamos melhor informados sobre as FARC do que sobre o que acontece na cidade onde vivemos. Estou desde ontem, 09/03/2010, depois que li site do Correio do Povo, procurando no ClicRBS informações sobre notificações que os Ministérios Públicos Estadual, do Trabalho e de Contas fizeram ao prefeito José Fogaça (PMDB/RS) e até agora, nada. Um manto de ruidoso silêncio cobre o Grupo RBS. Ninguém mostra, escreve ou fala sobre o caso. Ao mesmo tempo em que alcovita o prefeito José Fogaça, faz tocaia na Colômbia. Cadê nosso direito à informação? Por que a RBS, usando uma cortina de fumaça colombiana, esconde os escândalos de José Fogaça na Secretaria da Saúde?

O governador de São Paulo encomendou um artigo para atacar o pretenso vício de Aécio Neves: " pará, Governador?" Depois do interesse Freudiano da RBS com a Colômbia, só me cabe repetir: "Pó pará, RBS!"


Filhos da Mãe

Em compensação, Zero Hora traz uma longa entrevista com a mãe de alguém que morreu na Colômbia. Também não lembro de a RBS ter feito alguma entrevista com a mãe do sem-terra,

Elton Brum da Silva, assassinado pelas costas pela Brigada Militar. A mãe do Elton Brum da Silva, teve de aguardar de 21/08/2009 até 25/09/2009, mais de um mês, para saber quem tinha sido o brigadiano que havia atirado no seu filho, a queima roupa, pelas costas. Aliás, a RBS sequer informou se o sem-terra assassinado tinha ou não mãe. Em compensação, dedica tempo e papel para entrevista a mãe de um colombiano. Por que o Grupo RBS se muda para a Colômbia, aí talvez diminuísse um pouco o tráfico para estes pagos.

Os três Ministérios Públicos notificam o prefeito municipal, candidato a Governador do Estado, e o Grupo RBS simplesmente omite dos gaúchos o que está acontecendo na Capital. E a pergunta que cabe: Por quê? O Grupo RBS está se lixando para a opinião pública rio-grandense e por isso protege seu candidato ao governo do estado. Ou haverá algo ainda pior? Qual teria sido o preço do silêncio da RBS? Qual a participação da RBS nos escândalos administrativos encontrados na Prefeitura de Porto Alegre? A omissão deste caso teria algo a ver com a rapidez com que a RBS mudou a versão da morte de Eliseu Santos? Quem acoberta crime é o quê?
Fogaça não está Sollus. Como em Nuremberg, está faltando alguém nesse "Conserto".

Agora me responda, quem é filho da mãe nesta história?

Um comentário:

Pedro Souza disse...

É impressionante como as pessoas não se dão conta disso. "Sabemos" mais do Irã,Farcs, Brasília do que Porto Alegre e RS. Essa "cortina de fumaça" só é possível porque nós gaúchos, em sua grande maioria, somos uns perfeitos idiotas. Presas fáceis para essa corja de bandidos que dominam os meios de comunicações.