13 de nov de 2010

O carnaval fora de época da RBS

Tiriricas

O CLICRBS mostra as menininhas com nariz de palhaço sob patrocínio de… “ClicVestibular”… ENEM disfarçam!

A pergunta que os professores dos cursinhos pré-vestibulares deveriam fazer às patricinhas: qual foi o problema do ENEM para os alunos gaúchos?

1) Afinal, pelo que se tem notícia, não houve nenhum problema por estas plagas. Está é a primeira parte da lição…

2) Os cartazes contém todos a mesma caligrafia, as mesmas cores e os portadores, os mesmos narizes de palhaço. São fruto de uma mesma fonte! Zero em criatividade.

3) Os “çábios cursinhandos” sabem que se tentou criar uma Universidade Estadual – UERGS, que foi boicotada pelos patrocinadores da tiriricada atual?

4) Como podem alunos de escolas particulares culparem o estado pela qualidade de ensino que têm nas privadas? Se as privadas fossem eficientes, continuariam estudando nas privadas, ao invés de pleitearem a UFRGS.

5) Como explicar que a UFRGS, sendo pública, esteja melhor rankeada que as particulares? Ao esconder isso, a RBS mostra que é adepta da cultura da trapaça!

editorialinecifienteOs alunos que gazearam as aulas para servirem de massa de manobra precisam interpretar a seguinte frase da lavra dos celetistas da RBS: “O atual impasse em torno do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) é emblemático para os brasileiros por reunir num mesmo episódio fatores que entravam ou dificultam o desenvolvimento do país: a ineficiência do Estado, as resistências setoriais às mudanças, a má qualidade da educação e a cultura da trapaça, esta manifestada pelos estudantes que tentaram burlar as provas utilizando recursos eletrônicos de comunicação.”

Por partes:

a) a ineficiência do estado – os erros contidos nas provas foram perpetrados pela gráfica, licitada, e por ela assumidos. A ineficiência do Estado, portanto, está em achar que a iniciativa privada tem, primeiro, competência; segundo, comprometimento; e terceiro, honestidade. Eficiência, por outro lado, é fazer uma matéria para desancar o ENEM, que é um método de evitar o vestibular, sob patrocínio do … “Clic VESTIBULAR”… O estado é tão ineficiente que querem todos cursar universidade… do Estado. Por que não vão estudar em escolas particulares… que são mais eficientes? Lição de casa: comparem o respeito da UFRGS com qualquer outra instituição de ensino e, se souberem, respondam. Não a mim, mas à RBS.

b) resistências setoriais às mudanças: – quando a RBS desancou o Governo Olívio por criar a UERGS, estava não só demonstrando resistência à mudança, mas fazendo papel de advogado das privadas. A RBS demonstrou não só resistência à mudança, quando Olívio foi governador, como usou diuturnamente a cultura da trapaça para atingir o então Secretário de Segurança.

c) má qualidade da educação: – onde estão as reportagens da RBS a respeito das escolas de lata da ex-funcionária da casa, Yeda Crusius? Por que as patricinhas não saíram às ruas com nariz de palhaço para protestarem? Simples, são alunas de escolas particulares… Má educação é atribuir à “ineficiência do estado” erros cometidos por gráficas particulares. No ano passado, foi a gráfica Plural, da Folha de São Paulo, que vazou. Também aí a má qualidade do Estado foi atribuir tamanha responsabilidade aos que exploram os meios de informação como forma de subsistência;

d) cultura da trapaça – eis um tema do qual a RBS entende. Não tenho tempo, mas é fácil consultar quantas vezes a RBS já foi condenada judicialmente, no RS e em Santa Catarina, por sua cultura da trapaça. Neste caso, a trapaça consiste em esconder que as manifestações partiram de escolas particulares, que agora disputam com alunos de escolas públicas espaço nas universidades públicas sem necessidade de custear cursinhos. A confissão da incompetência de uma Tiririca gaudéria: “4 milhões de candidatos para 80 mil vagas”.  Confessa que o ensino recebido numa instituição privada não a prepara para conseguir um das 80 mil vagas. Cultura da trapaça é isso aí, querer uma vaga no grito.

Cheira à trapaça o uso de adolescentes com nariz de palhaço, para protestarem contra o ENEM. Na verdade, são vítimas da união do mau jornalismo com o mau ensino das escolas particulares, as quais defendem.

No Ceará, há o Fortal. Na Bahia, a Micareta. Nós, os gaúchos, somos ainda mais inventivos. A RBS que o diga. No carnaval à moda gaudéria, as meninas são cavalgadas pelos cursinhos pré-vestibulares. Aí reside o motivo do nariz vermelho. Mas quem fatura é a RB$. O jornalismo da RBS é falso como um carnaval fora de época. Um Simulão!

Nenhum comentário: