3 de jun de 2004

O quero-quero Guardião

A insegurança chegou aos cargos da Polícia Civil e da Brigada. Enquanto a população sofre, dia e noite, o aumento da violência, pois os bandidos são "grandes por que são unidos", as duas principais corporações disputam o privilégio do voyerismo auricular.
Há um sistema de escuta denominado Guardião. É a coqueluxe do momento no meio policial. Através dele corre a principal forma de atuação das polícias: é o famoso grampo telefônico com nome superlativo.
Bons tempos aqueles em que o Guardião das Coxilhas era o Quero-quero. Hoje, BM & PC só têm ouvidos para o Guardião.
Alguns dias atrás roubaram meu carro na Ramiro Barcelos. Coisa de profissional. Na Delegacia, o plantonista, com quem fala da neblina deste final de outono, informa que são entre 5 e 32 os roubos diários só na Ramiro. Aliás, a campeã depois que a corporação dos "puxadores" passaram a trabalhar unidos pelo Rio Grande afora.
Eu continua esperando por um Reportagem Especial da Zero Hora denunciando a grande organização da bandidagem que guia, unida e forte, a Segurança Pública no RS.

Nenhum comentário: