9 de jun de 2004

THorto Aracruz

Na biografia de Alexandre Magno, Arriano diz que o conquistador macedônico agia sempre com magnanimidade frente aos sábios que encontrava pelo caminho. Talvez tenha sido uma lição de seu preceptor, Aristóteles. Na Índia, Alexandre pretendia incorporar ao Estado Maior um sábio hinduista. Este, fazendo jus ao que de fato era, refuto o convite: "Não me ofereças o que não me podes dar."
A Companhia Aracruz Celulose, com nome brasileiro, mas lucro e administração escandinava, nos oferece o que não nos pode dar. Hortos florestais onde "voejam" e "pastorejam" animais silvestres. Tudo muito bonito, como se fossem um ONG ambientalista.
Nem parece que não produzem celulose!
A propósito: O que acontece com tais animais quando os hortos viram papel?

Nenhum comentário: